quinta-feira, abril 27, 2006

Hoate...


- Daimyo, quem vos olhar com esta máscara
em campo, sentirá um horror como nunca
ninguém antes sentiu.
Com o coração saltando-lhe do peito, a Criança
tomou-a, admirando-lhe as feições. Parecia uma
máscara veneziana, de expressão fria e
implacável. Apercebendo-se da natureza do
molde, exclamou:
- Mas sou eu!
- Assim é, Daimyo...



Diamanda Galás
Ain't no grave can hold my body down - La Serpenta Canta