sábado, março 18, 2006

An Illegal War Journal . Day Zero . 2003/03/18







Dia zero
Antes de expirarem as 48 horas... (intro)


Verifiquei em www.publico.pt que publicaram a minha última carta ao director. Chamaram-lhe "A América está a mudar", contra o meu título "O Pesadelo Americano". (*)
Nas páginas de opinião, destaque para um artigo do saudoso Vicente Jorge Silva, em resposta à carta da direcção do Público sobre a posição da mesma face à actual crise iraquiana. Apenas a nota final da direcção está disponível online, não o artigo completo.

Uma vez que verifiquei isto às 5:45 da manhã, assumi que se tratava de um simples atraso. De manhã, leio o excelente artigo-resposta do antigo director do Público na edição impressa, que não dispenso, e ao chegar a casa, à noite, verifico que o artigo com a posição da direcção actual ainda não está online. Envio um e-mail ao director do jornal, lamentando o facto.

Vai ser uma noite longa.
Pela uma da manhã, já dia 19, terminam as 48 horas que G. W. Bush deu a Saddam, Qusay e Uday Hussein para abandonarem o Iraque. Não o fizeram, naturalmente.

RS, An Illegal War Journal, 18/03/2003



A partir de amanhã, dia 19.
"An Illegal War Journal", n'A Sombra.





imagem: The Economist



(*)
A América Está a Mudar
Terça-feira, 18 de Março de 2003

Uma singela notícia no último "Ponto Media" merecia um tratamento mais aprofundado: a pseudoconferência de imprensa de G. W. Bush na Casa Branca, em que as perguntas foram sujeitas a pré-aprovação e ordenamento antecipado pela presidência, limitando-se W. Bush a seguir o teleponto e a ler a respectiva resposta.
Não é isto mais que um sinal de como a sociedade norte-americana está a sacrificar todos os seus direitos, um após outro, deixando-se controlar cada vez mais e cedendo a métodos que são uma vergonha para a democracia. Note-se que já está pronto um segundo pacote legislativo que reforça a prepotência do Estado a custo da liberdade individual, o USA Patriot II, que deverá ser apresentado ao Senado em breve.
Imagino que os jornalistas portugueses, até mesmo os que mais entusiasticamente apregoam as virtudes da nação norte-americana, não ficariam indiferentes perante uma imitação deste método por parte de Durão Barroso, numa próxima conferência de imprensa em S. Bento, mas o que é mais extraordinário é que ainda exista quem esgrima o argumento da virtuosidade da democracia dos EUA por comparação com o regime iraquiano, quando parece certo que ambos estão cada vez mais afastados do que se entende por democracia no Velho Continente.
Os EUA estão a mudar muito depressa. A "América" de que nos falam os colunistas mais favoráveis a uma guerra no Iraque já quase não existe.
O sonho americano está a transformar-se, cada vez mais, num pesadelo de que é imperioso acordar.


Rui Semblano
Vila Nova de Gaia

in http://jornal.publico.pt/2003/03/18/EspacoPublico/OCRT01.html

6 comentários:

  1. Excelente post meu caro e amigo Rui.

    Que poderemos nós esperar dos auto-promovidos policias do mundo… certamente, nada de bom, antes pelo contrário. Hoje, os EUA enveredam por um caminho, que acabará por arrastar a Europa nas suas loucuras se esta não for capaz de expressar um não rotundo e convicto a este pesadelo.

    O meu obrigado pela lucidez com que expôs o caso.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. PiresF:
    Assim começava o caderninho que viria a ser o primeiro livro do diário de uma guerra ilegal... Foi a 18 de Março de 2003. A partir de amanhã, um regresso ao passado, com o que senti nos primeiros momentos da invasão, dia a dia...

    Até então,
    RS

    ResponderEliminar
  3. Estas retrospectivas são sempre boas, para verificarmos que afinal quase nada mudou.
    O que escreveu ontem, mantém hoje a actualidade de então.

    ResponderEliminar
  4. PiresF:
    Veremos se essa tendência se continua a verificar, nos próximos dias.

    Um abraço,
    RS

    ResponderEliminar
  5. josé manuel ferreira18/3/06 20:12

    Aguardo ansiosamente o dia 19.

    ResponderEliminar
  6. J. M. Ferreira:
    É já daqui a três horas e meia...

    Até então,
    RS

    ResponderEliminar